Categorias: Terapia Natural

2019: o ápice da transição planetária, segundo Chico Xavier

“A data limite não tem a ver com o fim do mundo, e sim o começo de uma nova era. Todo projeto tem fases, todas as fases têm metas, todas as metas têm data limite. Estamos movendo de uma fase da humanidade para outra”, disse Pozati, autor do livro e documentário sobre a ‘Data Limite’ de Chico Xavier.

O processo de transição planetária já foi reconhecido por diversas revelações espirituais, desde 1868, quando Kardec resumiu os avisos dos Espíritos Instrutores em capítulo especial chamado “A gênese”, aonde diz: “São chegados os tempos, dizem-nos de todas as partes, marcados por Deus, em que grandes acontecimentos se vão dar para a regeneração da Humanidade [1]:

“Nestes tempos, porém, não se trata de uma mudança parcial, de uma renovação limitada a certa região, ou a um povo, a uma raça. Trata-se de um movimento universal, a operar-se no sentido do progresso moral. Uma nova ordem de coisas tende a estabelecer-se, e os homens, que mais opostos lhe são, para ela trabalham a seu mau grado. A geração futura, desembaraçada das escórias do velho mundo e formada de elementos mais depurados, se achará possuída de ideias e de sentimentos muito diversos dos da geração presente, que se vai ao passo de gigante. O velho mundo estará morto e apenas viverá na História (…)”.

Encontramos também as revelações de Chico Xavier, mais de um século e meio transcorrido, sobre o processo de mudança que a nossa Humanidade vive. Em 2019, vivemos o final da fase de transição planetária: data-limite do velho mundo.

Duas hipóteses poderiam ocorrer, segundo Chico, na história da Terra, conforme as escolhas feitas por seus habitantes e digo que em alguns momentos, chegamos perto de uma escolha fatal, especialmente com as eleições presidenciais de grandes nações e a eminência de uma III Guerra Mundial.

Temos a transformação da Terra de mundo de provas e expiações para mundo de regeneração, termos definidos pelos espíritos com codificação de Allan Kardec, em suas obras. Dessa forma, o nosso orbe planetário passa por um momento de transição no qual se direciona à regeneração.

No livro de Emmanuel, A Caminho da Luz, no capítulo XXIV, cujo título é “O espiritismo e as grandes transições”, ele explica que os espíritos mais esclarecidos falavam que existiu uma reunião da comunidade das potências angélicas do Sistema Solar, da qual Jesus é um dos membros divinos, e que a sociedade celeste se reunia pela terceira vez na atmosfera terrestre, desde que o Cristo recebeu a sagrada missão de redimir a nossa humanidade, para, enfim, decidir novamente sobre os destinos do nosso mundo. Essa reunião ocorreu nos idos de 1938, quando o homem ingressou na comunidade planetária, deixando o solo terrestre para pisar pela primeira vez em solo lunar. O homem, por seu próprio esforço, conquistou o direito e a possibilidade de viajar até a lua, fato que se materializou em 20 de junho de 1969. Naquela ocasião, o governador espiritual da Terram que é Nosso Senhor Jesus Cristo, ouvindo o apelo de outros seres angelicais de nosso Sistema Solar, convocara uma reunião destinada a deliberar sobre o futuro de nosso planeta.

Depois de muitos diálogos e debates entre eles foram dadas diversas sugestões e, ao final do conclave, a bondade de Jesus decidiu conceder uma última chance à comunidade terráquea, uma última moratória para a atual civilização no planeta Terra. Todas as injunções cármicas previstas para acontecerem ao final do século X foram então suspensas, pela Misericórdia dos Céus, para que o nosso mundo tivesse uma última chance de progresso moral.  [2]

De acordo com Chico Xavier, em relato à Geraldo Lemos, amigo pessoal do médium mineiro, Nosso Senhor deliberou conceder uma moratória de 50 anos à sociedade terrena, a se iniciar em 20 de julho de 1969, e portanto a terminar em julho de 2019. As nações mais desenvolvidas e responsáveis da Terra deveriam aprender a se suportarem umas às outras, respeitando as diferenças entre elas, abstendo-se assim de se lançarem a uma guerra de extermínio nuclear. A face da Terra deveria então evitar a todo custo uma III Guerra. Segundo o determinado por Jesus Cristo, apenas se as nações da Terra, durante esse período de 50 anos, aprendessem a arte do bom convívio e da fraternidade, evitando a guerra de destruição nuclear, o mundo estaria enfim admitido na comunidade planetária do Sistema Solar como um mundo em regeneração.

Inúmeros avanços começarão a ser alcançados a partir dessa data, ao entrarmos na era de regeneração. Conforme Chico destacou: “Melhoraremos no avanço rumo aos problemas de ordem social, como a solução para a pobreza e a fome. Teremos a descoberta de curas para doenças do corpo físico pela manipulação genética nos avanços da Medicina, o homem terrestre terá amplo e total acesso à informação e à cultura, que se fará mais generalizada; também os nossos irmãos de outros planetas mais evoluídos terão a permissão expressa de Jesus para se nos apresentarem abertamente, colaborando conosco e oferecendo-nos tecnologias novas, até então inimagináveis ao nosso atual estágio de desenvolvimento científico; haveremos de fabricar aparelhos que nos facilitarão o contato com as esferas desencarnadas, possibilitando a nossa saudosa conversa com os entes queridos que já partiram além-túmulo, enfim, estaríamos diante de um mundo novo, uma nova Terra, uma gloriosa fase de espiritualização e beleza para os destinos de nosso planeta”. 

Caso escolhesse pela III Guerra, o homem começaria, mas quem iria terminá-la seriam as forças telúricas da natureza, da própria Terra, com terremotos, tsunamis e outros fenômenos de desencarne coletivo.

Ainda segundo Chico, em ambas as situações, o Brasil – “coração do mundo, pátria do evangelho”, cumprirá o seu papel no processo de espiritualização planetária.Olhando pelo lado bom, nosso país crescerá em importância sociocultural, política e econômica perante as outras nações, sendo fonte energética para o mundo. O espiritismo cristão, que aqui teve solo fértil no seu desenvolvimento, atingirá o interesse de outras nações também.

No caminho negativo, existiria intenso fluxo migratório para o Brasil, que então seria chamado a assumir seu papel de amor e perdão e compreensão espiritual perante os imigrantes.

A Nova Era da Terra demoraria mais a chegar, em seu esplendor de conquistas científicas e morais porque seria necessário mais um longo período de reconstruções de nossas nações e sociedades, que teriam que se refazer em conceitos mais básicos de existência. Felizmente alcançamos a data de julho de 2019 sem nenhuma grande guerra, o que significa que seguimos adiante rumo a esse tempo.

Muitos estão sendo recolhidos por não estarem prontos a uma era de fraternidade, avanço moral e estamos vivendo uma fase de limpeza, tanto em desencarnes como em processos emocionais. Muitas pessoas estão sentindo uma vontade muito grande de se reconectar à natureza, aos animais, ancestrais e também de contato com o amor fraterno e o amor puro, que ultrapassa barreiras carnais, físicas e alcança algo mais profundo e espiritual. Estamos sendo a todo instante guiados e trabalhados pela espiritualidade para transmutar sentimentos de terceira dimensão para os de quarta ou quinta dimensão, conforme a evolução pessoal interna de cada indivíduo.

No entanto, nem todos conseguirão se conectar com essa nova frequência vibratória que vive nosso planeta e se não forem recolhidos para colônias com faixas com esse mesmo padrão vibratório se sentirão um pouco deslocadas, com sentimentos de mágoa, revolta, tristeza, melancolia, dentre outros.

Oremos muito para que os Benfeitores da Vida Maior continuem nos abençoando, guiando e inspirando em direção à evolução moral e em busca do bem fraterno, de nossa alma e de nosso planeta.

Que 2020 seja um marco para o início dessa Nova Era em nosso caminhar.

Bibliografia:

1 KARDEC, Allan. A gênese – os milagres e as predições segundo o Espiritismo. 48 ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Capítulo XVIII, item 1.

2 – NETO, Geraldo Lemos. NOBRE, Marlene. 2019 – O ápice da transição planetária. Revelações de Chico Xavier. São Paulo: FE Editora Jornalistica. 2017.